menina

Após ser agredida Manoela ficou com paralisia cerebral e cega

11844143_449197521926170_1904370347_n

Manuela antes de ser agredida pelo próprio pai

A família da menina Manoela Nascimento Pontes de Oliveira, de dois anos e dois meses, está lutando para conseguir custear o seu tratamento e as despesas dela. Manoela foi agredida pelo próprio pai, que matou a esposa e mãe da criança estrangulada. O crime foi no dia 03 de janeiro deste ano, em Anchieta, no Litoral Sul. Hoje a menina mora com a família em Piúma.

Após ser agredida pelo pai, Manoela, mais conhecida como Manu, esperou cerca de 10 horas para ser socorrida. Essa demora fez com que ela ficasse sem oxigenação no cérebro, provocando uma paralisia cerebral e cegueira na menina. Ela se alimenta através de sonda, respira por uma cânula na traqueia e ainda precisa fazer o uso de seis medicamentos.
A avó materna de Manu, a dona de casa Vera Lúcia Negrini, mudou o estilo de vida para se dedicar a neta. “Tive que largar meu serviço, fico 24 horas cuidando dela, não saio de perto. Hoje mesmo o que eu estava querendo era levar ela para um médico fora daqui para ver se tem alguma coisa para fazer por ela. Os médicos daqui falaram que o que eles puderam fazer por ela já fizeram”, disse.
O avô paterno da menina, o aposentado Manoel Francisco Negrini, gostaria que ela voltasse a ser uma criança normal. “ É muito triste, agora mesmo eu chorei… Meu sonho é ver a Manu andando ”, lamentou.
A família de Manoela precisa de um berço de UTI, pois o que o hospital cedeu é baixo, o que causa dificuldade no tratamento dela. Necessita ainda de fraldas.
Quem quiser ajudar a família de Manoela pode entrar em contato pelo número de telefone: (28) 99939-2572.
Entenda o crime
A mãe da menina, Lilyan de Freitas Nascimento de Oliveira, foi agredida e estrangulada pelo pastor João Pontes de Oliveira, 33 anos, no dia 03 de janeiro deste ano. Ele ainda ainda agrediu a filha do casal, Manoela, que precisou ser transferida de helicóptero para o Hospital Infantil de Vitória.
João ainda ligou para a sogra depois do crime, confessou o assassinato e fugiu em seguida. Ele foi preso quatro dias após o crime.
Gazeta Online

Relembre:

Quinta Feira 03/01/15– Já está na cadeia o Pastor que matou a esposa e feriu sua própria filha

1_reprodu____o_foto__pastor__esposa_e_beb__-3718147

Está na cadeia o pastor João Pontes de Oliveira, de 33 anos, acusado de matar a mulher Lilian de Freitas do Nascimento, 23, e deixar a filha do casal, um bebê de um ano, em estado grave. O crime aconteceu na manhã do último sábado (03), em Anchieta, Sul do Estado.De acordo com o delegado Milton Sabino, titular das delegacias de Piúma em Anchieta, ele se entregou por volta das 16 horas, acompanhado pelo advogado.“Marcamos para ele se entregar na Delegacia de Piúma, pois se ele voltasse a Anchieta corria o risco de ser linchado pela população”, afirmou Sabino.Ainda segundo o delegado, em depoimento, o pastor contou que cometeu o crime por ciúmes, durante uma discussão de casal.“Ele alegou ciúmes. Disse que ela estava estranha e sempre que ele ia conversar com ela, a vítima o ignorava. Ficava sempre em redes sociais. Então, naquela tarde, tocou o telefone dela, ele se aborreceu e tentou tomar. Eles começaram a brigar e ele acabou batendo nela com um pedaço de madeira e a matou”, contou Sabino.Após matar Lilian, o pastor fugiu para Macaé, no Norte do Rio de Janeiro, e se abrigou na casa de outro pastor. Ao saber que havia um mandado de prisão aberto em seu nome, resolveu se entregar.“Ele queria continuar foragido. Se não soubesse que a gente tinha mandado contra ele, não teria se entregado à polícia”, ressaltou o delegado Milton Sabino.O crime
O corpo da missionária Lilian foi encontrado pelo próprio pai, depois que o marido dela o avisou. Ela estava na cama da residência onde morava a família, com o bebê ao lado.
Fonte : Gazeta Online